sexta-feira, 21 de abril de 2017

Sobre Uma Breve História do Tempo – Stephen Hawking



Me parece, pela rápida vista, que dei no livro de Hawking, que se trata de um b,a, bá, de um blá,blá,blá, que se repete. Sua falta de conhecimento filosófico é notória, bem como a inteira decomplacência com o conceito ao qual sugere.

DNA de Jesus Cristo

Cientistas podem estar prestes a encontrar o DNA de Jesus Cristo

Ver as imagens
Seria mesmo possível encontrar o DNA de Jesus de Nazaré? A ideia parece ter saído diretamente de um filme de ficção científica, mas diversos cientistas estão se dedicando a pesquisas que podem levar à descoberta do DNA de Jesus.
George Busby, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, trabalhou em um documentário do History Channel chamado ‘The Jesus Strand’, que estreou no país em 16 de abril.
Escrevendo para o The Conversation, Busby disse: “Em 2010, Kasimir Popkonstantinov encontrou o que ele acreditava ser um conjunto de ossos de um dos santos mais famosos: João Batista. Eu estava interessado no que a análise do DNA poderia nos dizer sobre aqueles ossos”.
“Quando Kasimir abriu o relicário, ele encontrou cinco fragmentos de ossos. O epitáfio na caixa menor, provavelmente usada para carregar os ossos durante as viagens, foi a evidência fundamental que o levou a acreditar que eles poderiam pertencer a João Batista”.

Igreja canonizará dois pastorzinhos de Fátima

Cem anos depois, Igreja canonizará dois pastorzinhos de Fátima

Por Brigitte HAGEMANN
Ver as imagens
O papa Francisco, no Vaticano, em 19 de abril de 2017
Dois dos três pastorzinhos de Fátima, em Portugal, que afirmaram ter presenciado várias aparições da Virgem Maria em 1917, serão canonizados em 13 de maio pelo papa Francisco no próprio local onde disseram que as mesmas ocorreram.
Cem anos após a primeira aparição, Francisco Marto e sua irmã Jacinta, que tinham nove e sete anos de idade, respectivamente, se converterão nos santos mais jovens da história da Igreja Católica que não morreram como mártires.
O anúncio, feito nesta quinta-feira no Vaticano pelo papa, foi recebido com entusiasmo em Portugal: "o centenário das aparições atingirá assim todo o seu esplendor!", reagiu o bispo de Leiria-Fátima, Antonio Marto.
Emocionados, os peregrinos presentes no santuário de Fátima, alguns aos prantos, deram às boas-vindas a esta "extraordinária notícia", segundo imagens da televisão.
Francisco, Jacinta e sua prima Lúcia dos Santos teriam visto pela primeira vez a Virgem Maria no dia 13 de maio de 1917, em um carvalho em um campo rochoso de Cova da Iria.
Nascidos em famílias muito humildades, os três pastorzinhos estavam longe de imaginar que se tornariam objeto de culto no mundo inteiro.
A cerimônia de canonização presidida por Francisco, esperado em Fátima em 12 de maio para uma viagem de menos de 24 horas, vai acontecer apenas 17 anos após a beatificação dos dois pastorezinhos por João Paulo II.
Este último reconheceu em 1999 como o primeiro milagre atribuído aos pastorzinhos a cura de Maria Emilia Santos, paralisada por 22 anos, que conseguiu se levantar de sua cadeira de rodas em 1989.
Para serem canonizadas, as crianças deveriam ser creditado com um segundo milagre pelo Vaticano. Isso aconteceu em 23 de março. Segundo a Rádio Vaticano, trata-se da cura "inexplicável" em 2013 de uma criança brasileira de seis anos que sobreviveu sem sequelas a uma queda de sete metros, apesar de ter sofrido um grave traumatismo craniano.
- Acusados de bruxaria -
Francisco morreu em 1919 e Jacinta menos de um ano depois, ambos vítimas da "gripe espanhola" que devastava a Europa. Lúcia, que se tornou freira da Ordem das Carmelitas, faleceu em 2005 aos 97 anos de idade. Seu processo de beatificação foi iniciado em 2008.
Praticamente analfabetos, os três pastorzinhos cuidavam do magro rebanho de sua família. Suas vidas mudaram totalmente quando se propagou em Portugal a notícia das "aparições".
Na época, foram acusados de bruxaria. Até mesmo a Igreja Católica questionou, em um primeiro momento, a natureza "milagrosa" de suas visões.
Depois, em 1930, finalmente declarou o acontecido como digno de fé e autorizou o culto de Nossa Senhora de Fátima.
Ainda hoje, parte do mundo católico português duvida da autenticidade das aparições.
"Eu posso ser um bom católico e não acreditar em Fátima, porque não é um dogma. É evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima", declarou o padre Anselmo Borges, preferindo evocar uma "experiência religiosa interior" dos pastorzinhos.
- Três segredos -
Segundo a tradição, a Virgem apareceu outras cinco vezes ao longo do ano 1917 e nestas fez profecias, recomendações e entregou, na última ocasião, três mensagens conhecidas como "os segredos de Fátima".
A freira Lúcia revelou os dois primeiros segredos para um bispo em 1941. O papa Pio XII o fez públicos em 1942. O primeiro era uma visão do inferno e o segundo falava de uma guerra pior do que as já registradas até então.
O terceiro mistério se manteve em segredo durante muitos anos. Ele foi revelado em 1944 ao papa Pio XII com a recomendação de não torná-lo público antes de 1960.
Apenas foi revelado em 2000, precisamente em Fátima, e segundo o Vaticano se referia ao atentado sofrido por João Paulo II em 13 de maio de 1981 na praça São Pedro, no 64º aniversário da primeira aparição de Fátima.
Depois, durante uma visita a Portugal em 2010, seu sucessor Bento XVI atualizou o último segredo, dizendo que anunciava os "sofrimentos" da Igreja, então abalada pela crise dos escândalos de pedofilia.

https://br.noticias.yahoo.com/papa-vai-canonizar-crian%C3%A7as-pastoras-f%C3%A1tima-13-maio-131325287.html

Supremo Tribunal russo proíbe Testemunhas de Jeová

As Testemunhas de Jeová foram proibidas de atuar na Rússia e seus bens serão confiscados, após a decisão nesta quinta-feira do Supremo Tribunal, que considerou a organização como extremista
As Testemunhas de Jeová foram proibidas de atuar na Rússia e seus bens serão confiscados, após a decisão nesta quinta-feira do Supremo Tribunal, que considerou a organização religiosa como extremista.
Um líder russo das Testemunhas de Jeová, Iaroslav Sivoulski, declarou estar "chocado" com a decisão dos juízes e anunciou que a organização religiosa vai apelar.
"Não pensava que algo assim poderia acontecer na Rússia moderna, onde a Constituição garante a liberdade de religião", disse ele.
O ministério da Justiça russo havia apresentado uma ação no Supremo Tribunal considerando as Testemunhas de Jeová "uma ameaça para os direitos das pessoas, da ordem pública e da segurança pública".
O juiz Yury Ivanenko afirmou na sentença que a organização "deverá entregar à Federação russa suas propriedades".
"Nossos fiéis se encontram em uma posição muito incômoda. Correm o risco de ser levados ante a justiça", declarou Sivulski, que assegurou que os membros da organização continuarão se reunindo em segredo.
O grupo religioso afirma contar com 175.000 membros e 395 centros em todo o país, e já travou várias disputas com as autoridades russas nos últimos anos.
Em janeiro, o líder da organização na cidade de Dzerzhinsk foi multado por distribuir material considerado extremista pelas autoridades.
O governo russo dissolveu em 2004 um ramo da organização, uma decisão que a Corte Europeia de Direitos Humanos considerou em 2010 em violação aos direitos da religião e associação.
"Tememos que a lei contra o extremismo seja utilizada contra os fiéis que continuarem com suas reuniões para estudar a Bíblia", declarou à AFP Evgueni Kalinin, um membro da organização que estava na audiência do Tribunal.
Para a poderosa Igreja ortodoxa russa, as Testemunhas de Jeová são uma seita perigosa, devido à proibição de transfusões de sangue imposta aos seus membros, entre outras coisas.
A Igreja das Testemunhas de Jeová foi fundada em 1870 nos Estados Unidos por Charles Russel.
Se declaram cristãos e anunciam, através de campanhas incansáveis de porta em porta, a próxima chegada do Reino de Deus sobre a Terra. Mas não reconhecem a natureza divina de Cristo, o que provoca a rejeição de outras igrejas cristãs.


https://br.noticias.yahoo.com/supremo-tribunal-russo-pro%C3%ADbe-testemunhas-jeov%C3%A1-175036870.html

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Grande desafio da Filosofia hoje






O maior desafio para mim hoje, enquanto filósofo é tentar descobrir a essencialidade das coisas. Como consiliar substancia com a impossibilidade da coisa em si? Ora, ao unirmos o pensamento de Aristóteles e Tomás de Aquino com o de Heráclito e Parmênides percebemos uma necessidade crucial, a saber, descobrir como a coisa se particulariza no eterno vir-a-ser das coisas, ou seja, como determinar uma instância em que a coisa é o que é para a linguagem que a determina? como delimitamos o finito que aparentemente não muda de imediato no infinito das mudanças perpétuas? Este é meu desafio.

terça-feira, 18 de abril de 2017

A Verdade como pressuposto do pensar

Só há cristianismo onde existe liberdade de pensamento. Ora, ser cristão é estar, antes de tudo alicerçado na Verdade e não se pode chegar à Verdade sem pensá-la. Pois é necessário que a verdade seja um pressuposto do próprio ato de pensar, do contrário, tudo seria mera negação.

Diferentes

Somos apenas aquilo que nunca seríamos se fossemos diferentes! !

e se fossemos diferentes do q somos? como seríamos?

Discursos fantasiosos

Os discursos fantasiosos estão aí: nas famílias, nas escolas, nas mídias e nas igrejas. Chega de ensinarmos mentiras!

O eu e os outros

Há um conflito entre o "eu" e os "outros" que institui a individuação. Somos sempre "rejeição"!

O que somos nós?

O que somos nós? 
R: Possibilidades.

Democracia




O que é democracia? A vontade da maioria sobre a da minoria!

Páscoa








Duas palavras resumem o sentido da Páscoa para o contexto judaico-cristão, são elas: liberdade e esperança. Apesar de toda obscuridade que envolve tais termos, podemos entender que ser livre implica antes de tudo ter o domínio de si mesmo e que ter esperança implica em estar sob uma nova condição, a da firme certeza da fé. Mas por que a fé é firme e certa? Pelo simples fato de ser ela uma representação subjetiva de nossos mais profundos anseios e a imagem ideal para creditar realidade a todas as coisas.

A Cruz é o único símbolo capaz de demonstrar em si todo antagonismo





A Cruz é o único símbolo capaz de demonstrar em si todo antagonismo. Pois, é ela que expressa a mais profunda angústia ao mesmo tempo em que afirma a maior de todas as alegrias, a saber, a morte e a vida se fundem na Cruz de Cristo.


domingo, 2 de abril de 2017

A Hermenêutica e a Verdade: A Verdade por trás da minha e da sua verdade

Tomás de Aquino




O problema hermeneutico de que cada um tem a sua própria interpretação do mundo, a qual apresenta a verdade como aquela verdade de cada um já havia sido solucionado por Tomás de Aquino no período chamado medieval. Para Aquino, a verdade de cada um, onde cada indivíduo possui a sua própria verdade tem por base a Verdade Primeira, ou seja, quando uma verdade é verdade para mim, ela é verdade, e quando outra verdade é verdade para o outro, logo é a verdade do outro. Porém ambas as verdades são, em suma, uma e mesma verdade ainda que se altere na forma em um ou em outro caso. Assim, quando entendemos a verdade como verdade não importando a forma, o fundamento é o entendimento que temos universalmente do conceito de verdade, e, este é um, é uma verdade. O que nos resta agora é melhor isso de maneira que fique mais compreensivo ao senso comum!!

http://youtube.com/MrDaviShow

quinta-feira, 30 de março de 2017

Noções de Lógica Bilogal

Uma coisa que Nada-é e Tudo-é o que é?

R: Algo

Aquilo que os cientistas mais fabulosos buscam é, justamente, aquilo que não sendo, é, e, é não sendo. A isto chamo de "algo", ou seja, o único termo capaz de situar-se nesse contexto de uma linguagem aberta, ou seja, de uma linguagem para além da lógica formal do sim "ou" não para uma lógica da não lógica, isto é, do sim "e" do não.

Não é fácil criar um sistema do Algo, no qual se deve traçar uma linha comum na história do pensamento considerando os conflitos, estabelecer o padrão antagônico e superar o conceito de Deus naquilo que Ele realmente deveria ser considerado, a saber como um Algo. Nessa tríade metodológica me debruçarei se a vida me der tempo e condições para executar meus estudos com a intrepidez e ousadia que tiveram os mais fantásticos filósofos.

      1-2         1-2
Nada-é - Tudo-é 
  1              2  


Podemos entender também como uma lógica binomica.

  





http://youtube.com/MrDaviShow

quarta-feira, 29 de março de 2017

A razão humana cada vez mais perto de Deus com a Ilogicidade da Lógica: Os homens que abateram Aristóteles

                               A Ilogicidade da Lógica: Os homens que abateram Aristóteles

Werner Heisenberg, físico responsável por construir as bases da Física Quântica.
                                O filósofo romeno Stéphane Lupasco responsável por desenvolver uma lógica não-aristotélica.




A introdução do terceiro incluído e sua admissibilidade é um salto na história do pensamento antes amarrado à lógica aristotélica. É um resgate aos pré-socráticos ao mesmo tempo em que abre possibilidades para se pensar o tempo/espaço e o infinito de maneira jamais intencionada antes. 
É a razão humana chagando cada vez ais perto de Deus.



http://youtube.com/MrDaviShow













Fonte das imagens: https://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%B3gica_do_terceiro_inclu%C3%ADdo

sexta-feira, 24 de março de 2017

PHILOSOPHICAL ASSAYS FOR THE 21ST CENTURY - The relation between the concepts of space, time, movement, body, force and energy and its origin in thought

Introduction  


Throughout the history of thought - which is the very development of thought - various links have been constructed, which I will try to undo here, misconceptions that have led to misunderstandings, but which in the end have never been equivocal, but propositions of universal thought in continuous dialogue With the individualizations that manipulate it.

For this reason, the doxa, which is directly linked to the tradition of common sense, imposes itself as a north that articulates to the antagonistic interest, to the generating conflict.
This disconcerting misconceptions is a new construct, without criticism, but with assimilation of the innumerable worldviews, philosophies, scientific and religious theories, etc. It is the definitive convergence of thought with individualization through language.

Perhaps my effort here is only an initial step towards this goal, namely that, once we understand the saturation of language, we can finally consider the conflicts of individualizations (movement of the opinions of each rational individual) as a possibility of a consolidation of the mutual And multiple understanding in a concordant dialogical field despite the differences.

Humanity must finally agree and this is only possible if we understand the movement of a dialectic without a given final synthesis, but that its result is already present in the same conflict, in the dialectical movement itself, which has never been and will never be formally logical .
Understanding the illogicality of language and its ambiguity seems to me to be an initial path. For this, a brief survey of the analytical philosophy will help us to understand this problem so that we can, from this, seek its solution, even if there is no need of it.

Thus, the first step is to extinguish from our consciousness the expression "it is logical that this or that is so or that way", that is, is to put in the museum of our memories that "is logical", since we have no idea Of what "is" and what is "logical".


It was the ambiguity of language built the world we know and how we know and today this ambiguity shows itself in its most clear, evident and undoubted state although hiding also great obscurity. Such obscurity is what keeps its creative aspect and makes us imagine that tomorrow everything that is being said here can be deconstructed. But let us bear in mind that even this predicted and prophesied deconstruction perpetually maintains this writing as proof of all construction from the conflicts, that is, the thesis of this writing is that it must be contested and overcome, and that is what makes it Unsurpassed.
Thus, many philosophers thought, perhaps, that the whole depth of thought would end in them. But it is only when there is the recognition of this coming overcoming, as is the case here, that we can claim the supremacy and the final apex of thought, that is, I can be proud to develop a final project for philosophy by admitting in this Philosophy, its overcoming, but an overcoming within its depth. Thus, to be contested is what will prove in all future time the thesis that arises here, namely, that there is no pattern in the language that leads to a definite logic, but that this is already its logic and its contestation is its eternal movement , So it is the movement of contraries that remains as a revealing of finite things in the mold of Heraclitus, but with a universal garb and a seal of all philosophical tradition, although the thinkers did not realize that they were always part of a process and always We will be part of this process.
What moves me to write about these concepts is any question that still surrounds them, even in the empirical sciences, since physics, for example, is born of philosophical propositions and remains steeped in theories that within its methodologies are unproven Expressive.

Thus, this gap in the field of knowledge remains in every history of human thought, a fact that allows us to enter these investigations without fear and only by mere theoretical effort, that is, philosophizing, making the thought to dwell on itself to account for Their concepts.

I could, of course, begin this study by making a historical-philosophical survey of each concept in an analogy with scholars of physics. However, I will leave for a second moment this survey for understanding the urgency we have to think these concepts now and thus contribute, right now, with philosophy and, why not also, science.

The Infinity of the Finite or how to determine the finite that is contained in the infinite? A Infinitude do Finito ou como determinar o finito que está contido no infinito?

em breve...

coming soon 

domingo, 19 de março de 2017

Livro Virtual: ENSAIOS FILOSÓFICOS PARA O SÉCULO XXI - A relação entre os conceitos de espaço, tempo, movimento, corpo, força e energia e sua origem no pensamento

Esboço Geral


O não não-ser é também não-ser além de ser! 

Essa é minha filosofia, ou seja, a lógica e a ilogicidade que se identificam nos discursos devem ser considerados como construtivos em seu antagonismo. 

A história do desenvolvimento do pensamento é o Logos nos explicitando algo ainda que as individuações - que são o seu contraditório - queiram demonstrar que não.


                                                  


Introdução


Ao longo da história do pensamento - que é o próprio desenvolvimento do pensamento - diversos enlaces foram construídos, os quais procurarei aqui desfazer, equívocos que levaram à equívocos, mas que no final das contas nunca foram equívocos, mas proposituras do pensamento universal em diálogo contínuo com as individualizações que o manipula.

Por isso, a doxa, que está diretamente ligada à tradição do senso comum, se impõe como norte que articula para o interesse antagônico, para o conflito gerador.

Este desconstrir equívocos é um construir novos, sem críticas, mas com assimilação das inúmeras visões de mundo, filosofias, teorias científicas, religiosas, etc. trata-se da convergência definitiva do pensamento com a individualização por meio da linguagem.

Talvez o meu esforço aqui seja apenas um passo inicial rumo a este alvo, a saber que, uma vez entendida a saturação da linguagem, possamos enfim considerar os conflitos das individualizações (movimento das opiniões de cada indivíduo racional) como possibilidade de uma consolidação do mútuo e múltiplo entendimento num campo dialogal concordante apesar das diferenças.

A humanidade precisa em fim concordar e isso só será possível se entendermos o movimento de uma dialética sem síntese final dada, mas que, seu resultado já está presente no conflito mesmo, no próprio movimento dialético, o qual, nunca foi e nunca será formalmente lógico.


Entender a ilogicidade da linguagem e toda sua ambiguidade me parece ser um caminho inicial. Para isso, um breve levantamento da filosofia analítica nos ajudará a compreender esta problemática para que possamos, a partir disso, buscar sua solução, ainda que não haja  a mínima necessidade disso.

Assim, o primeiro passo é extinguir de nossa consciência a expressão "é lógico que isso ou aquilo é assim ou daquela maneira", ou seja, é colocar no museu de nossas memórias esse "é lógico", uma vez que não fazemos a mínima ideia do que "é" e do que seja o "lógico".


Foi a ambiguidade da linguagem que construiu o mundo que conhecemos e como conhecemos e hoje esta ambiguidade se mostra em seu estado mais claro, evidente e indubitável apesar de esconder também grande obscuridade. Tal obscuridade é o que mantém o seu aspecto criativo e que nos faz imaginar que amanhã tudo que aqui esteja sendo dito possa ser desconstruído. Porém, tenhamos em mente que mesmo esta desconstrução prevista e profetizada mantém perpétuo este escrito como prova de toda construção a partir dos conflitos, ou seja, a tese deste escrito é que ele deve ser contestado e superado, e, isso é o que o torna insuperável.

Assim, muitos filósofos pensaram, talvez, que neles se findaria toda a profundidade do pensamento. Mas somente quando há o reconhecimento dessa superação vindoura, como é o caso aqui, é que podemos reivindicar a supremacia e o ápice final do pensamento, ou seja, eu posso me orgulhar por desenvolver um projeto final para a filosofia pelo fato de admitir, nesta filosofia, a sua superação, mas uma superação dentro de toda sua profundidade. Assim, ser contestado é o que provará em todo tempo vindouro a tese que aqui se levanta, a saber, que  não há padrão na linguagem que a conduza a uma lógica definida, mas que isso já é sua lógica e sua contestação é seu movimento eterno, logo é o movimento dos contrários que se mantém como revelador das coisas finitas aos moldes de Heráclito sim, mas com uma roupagem universal e chancela de toda tradição filosófica, apesar dos pensadores não terem se dado conta que sempre fizeram parte de um processo e sempre seremos parte deste processo.


Após esta noção





O que me move a escrever acerca destes conceitos é toda interrogação que ainda os cerca, mesmo nas ciências empíricas, uma vez que a física, por exemplo, nasce de proposições filosóficas e permanece mergulhada em teorias que dentro de suas metodologias encontram-se sem comprovação expressiva.

Deste modo, essa lacuna no campo do conhecimento permanece em toda história do pensamento humano, fato que nos permite adentrar nessas investigações sem medo e apenas por mero esforço teórico, ou seja, filosofando, fazendo o pensamento se debruçar sobre si mesmo para dar conta de seus conceitos.

Eu poderia, naturalmente, iniciar este estudo fazendo um levantamento histórico-filosófico de cada conceito numa analogia com os eruditos da física. Porém, deixarei para um segundo momento este levantamento por entender a urgência que temos para pensar agora estes conceitos e contribuir assim, desde já, com a filosofia e, por que não também, a ciência.

Porque um Livro Virtual?

Simples!!
Por causa dos custos para se editar um livro com todas as burocracias, distribuição, etc.;
Além disso, o acesso que poucos teriam ao meu pensamento apenas por meio da obra editada.;
Pela facilidade de se estar diretamente tendo o freedback dos leitores no momento mesmo em que estou escrevendo, com suas críticas e contribuiões;
Pelo fato de poder inserir vídeo explicativo daquilo que estou produzindo;
Dentre outros motivos que poderei estar acrescentando aqui...


É quase que unânime a opinião de que estes conceitos ocorram instantaneamente e estejam ciclicamente ligados a ponto de não conseguirmos estabelecer se algum é causa do outro. Então, nossa primeira busca aqui será estabelecer como estes conceitos acontecem no pensamento. Será que tempo e espaço são, como estabeleceu Kant, as intuições primeiras, as quais nos permitem conhecer o mundo? Como se dá portanto esta relação quando consideramos o conceito de movimento? Nossa tese, portanto é a de considerar o movimento como conceito que nos revela ao pensamento os demais. Para isso se faz necessário uma busca unicamente no movimento do pensamento. Entretanto, para isso se segue que será o nosso pensar o mundo que vai nos remeter a pensar o pensamento e não o caminho inverso. Logo, vale a concepção kantiana inicial de que o conhecimento se dá primeiramente no âmbito empírico, apesar de não ter seus fundamentos naquilo que é empírico, mas transcendente, a saber, no apriorismo da razão.

A título de terminologias não me utilizarei do termo razão, mas pensamento para esta análise por entender que pensamento já engloba em si os conceitos de razão, entendimento e juízo.

Inevitavelmente entrarei nas discussões acerca da lógica e da linguagem naquilo que remete às competências da filosofia analítica sobre a tese de que a lógica da lógica é ela não ter lógica uma vez demonstrada a ambiguidade da linguagem e com isso procurar entender onde o conhecimento quis ou quer nos levar. A abertura linguistica se dá em seu fechamento, a concepção do devir e da própria definição de tempo alinhados com o conjunto de conceitos produzidos pelo pensamento humano. resta-nos saber se o pensamento é escravo da linguagem e deve procurar reorganizá-la propondo a si mesmo novas compreensões de seus conceitos produzidos a partir do senso comum ou se a linguagem é, ao contrário disso, uma entidade (O verdadeiro Gênio maligno de Descartes) que nos engana, a qual promove através de nós o desenvolvimento da espécie ao mesmo instnte em que nos engana debochando de nós ao contradizer-se e conflitar-se em suas definições.


Segundo Berkeley, minha maior influência no cenário filosófico,

"Obviamente, então, é inútil estabelecer a gravidade ou a força como princípio do movimento, pois como esse princípio poderia ser mais claramente conhecido, se é caracterizado como uma qualidade oculta? O que é oculto nada explica. E não precisamos dizer que uma causa ativa desconhecida poderia ser mais corretamente chamada de substância do que de qualidade. Além disso, força, gravidade e os termos dessa espécie são utilizados amiúde de forma concreta (e, desse modo, são utilizados corretamente) para conotar o corpo em movimento, o esforço de resistência etc. Mas quando eles são empregados pelos filósofos para exprimir certas naturezas talhadas e abstraídas de todas essas coisas, naturezas que não são objetos dos sentidos, eles não podem ser compreendidas por qualquer poder do intelecto e nem concebidos pela imaginação e, assim, originam o equívoco e a perplexidade".(BERKELEY, De Motu).


Eu digo sem receio que o maior debochador da física da história é o filósofo George Berkey, embora eu defenda uma filosofia sem críticas e, sim de convergencias, a qual deve procurar entender até as críticas, percebemos neste escrito palavras que continuam ecoando no tempo de maneira que, ainda hoje, não puderam ser refutadas. Quando diz, por exemplo que" nenhuma força torna-se por si mesma cognoscível, exceto pela ação, e é por esta última que a força é medida; mas não somos capazes de separar a ação de um corpo de seu movimento" (Berkeley, De Motu).


A tônica que permeia este trabalho é o engano que as palavras nos transmitem pelo pouco ou quase nenhum sentido que entendemos delas quando sairmos do plano geral e entramos na investigação mais precisa dos termos.

A complexa relação entre coisas e ideias que temos das coisas nos abriram inúmeras portas, mas cada vez mais entendemos, menos entendemos o mundo. Essa definição foi aberta ao mundo com o advento do idealismo, já presente nos antigos filósofos, mas que tomou sua forma mais clara e profunda na modernidade.

Após separar que a origem do movimento não está nos corpos, Berkeley afirma que:" Uma coisa ativa e pensante é dada a nós de tal forma que a experimentamos como o princípio do movimento. A isso chamamos alma, mente e espírito." (BERKELEY, De motu)

onde o pensamento chegará com a linguagem? Ou onde a linguagem quer levar o pensamento?




Uma breve reflexão dos conceitos de nossa linguagem que são apreciados pela física têm me levado conduzido a considerar que são cinco os termos principais que se encontram intrinsecamente ligados em sua origem e que juntos, podemos assim dizer, coordenam toda ciência do pensamento acerca da natureza, são eles:  força, energia, movimento, espaço, tempo e corpo.
Aqui, pois, preciso esclarecer que não me interessa saber sobre a existência efetiva de tais conceitos, mas conhecer na simples noção que temos dos mesmos as sua disposições causais, uma vez que, segundo o idealismo transcendental, não se pode determinar  – ainda – a existência efetiva das coisas. Entretanto, não podemos negar que pensamos e que o pensamento se entende como real e existente, justamente por movimentar-se ao pensar. Ora, ou admitimos que o existir é o pensar (Descartes) ou que o fato de pensar não traz nada à existência (Kant), não podemos negar este movimento que tudo move, o pensamento. Contudo, temos ideias das coisas e formamos destas conceitos os quais se tornaram verdadeiros no senso comum, e realmente o são (Tomás de Aquino), isto é, para que nos compreendamos e compreendamos o mundo, ao menos em parte, uma base da linguagem devemos ter de maneira universal como necessária à comunicação e entendimento fenomênico, o que torna, de certa forma, o conceito verdadeiro em sua referência ao objeto, onde esta união é, aos moldes de Hegel, absoluta, a saber, o conceito como união da ideia e do objeto. Com efeito, percebamos que o pensamento existe enquanto única referência possível do existir ao passo que também não se reconhece como existência suprema, mas apenas como referencial desta última, e que, é também, verdadeiro na sua função de produzir conceitos para comunicação. De maneira que o pensamento existe porque existem coisas a serem pensadas e isso é a existência se quisermos definir este conceito e, acredito que já é hora de o fazermos, muito próximos à Hegel, porém não tão utópico. E  que isso, não soe como crítica, mas como acréscimo.
Assim, por definição o pensamento não é “a existência”, pois não podemos aferir à sua auto origem, para que enfim pudesse ser perfeito, mas é ele que aponta para o existente.
Daí que, apesar do desenvolvimento da linguagem nas ciências em geral ter alcançado notória profundidade – e por isso a sua saturação – uma base inicial e comum é necessária para a comunicação universal tanto do leigo como do mais profundo erudito físico.
Portanto, temos no produzir dos conceitos no pensamento uma certa expectação afirmativa de algum tipo de existência, uma existência para nós e em nós. Assim, é nessa pseudoexistência conceitual que, por força da causalidade, procuro entender os conceitos de força, movimento, energia, tempo, espaço e corpo.

Ora, por força do próprio exercício do pensamento, basta estar vivo para isso – talvez – sabemos que nada está definitivamente estático, o que demonstraremos mais adiante com a própria lei da entropia, o que demonstrarei aqui, com base nisso, e por esforço unicamente teórico é tão somente o princípio da relação que há entre estes conceitos supra citados.
Eu poderia partir, de início e sem atropelos, do conceito de movimento como causa determinante formal para os demais, porém, para que haja o movimento temos que admitir um corpo dotado de energia e força que percorra determinado espaço, bem como num determinado tempo.
Contudo, como o que trato aqui é a origem das ideias de energia, tempo, espaço, corpo e movimento em suas disposições causais, se analiso bem, uma atenção filosófica me faz entender que o que ocorre é que o espaço sem corpo movendo-se não me dá a sua ideia, ou seja, a pura ideia de espaço não me dá nenhuma outra, do mesmo modo que um corpo no vazio não me traz nenhuma outra ideia que não seja espaço e tempo, apesar de no conceito de tempo estar relacionado mais que com os outros a ideia de movimento.
Por conseguinte, se um corpo não se move sem uma força que o mova, e se há força é porque nela há energia, e se se move se move num espaço gerando com isso um tempo. De modo que, e aqui peço a atenção do leitor que, se penso a energia, logo ela “é”, do mesmo modo a força, o espaço, o corpo, o espaço. Ora, se penso estas ideias isoladas as penso no movimento do pensamento o qual contem em si energia e força. Logo, o movimento do pensamento me mostra o tempo, ou seja, se penso, algo se passa em mim, e, se está passando, se mostra um tempo, a saber, aquilo que passa. Assim, é o movimento que contém em si o tempo e não o tempo que está no movimento. Isso, unicamente quando tomo o meu pensamento como referência para estes princípios. Resta-nos saber, se assim como as coisas externas o pensamento é um corpo e se ocupa um espaço. Ora, se o pensamento é movimento e tempo no movimento, o espaço é pensado como algo fora dele, bem como o corpo.
Ao que me parece, o movimento é um movente autônomo que por mover-se produz tempo e se se move é dotado de certa energia a qual pode ser denominada vida. Resta-nos saber se é corpo num determinado espaço conduzido por alguma força.
Este é o ponto. Será que para o pensamento devemos adotar os padrões da experiência percebida empiricamente, ou o pensamento a si mesmo se basta para dar conta da origem destas ideias?
A energia ou força pode ser entendida como corpo? Penso que não. Pois, há corpo animado e inanimado, porém, há energia em todos. Disso discorre que o conceito de vida, na natureza não é compatível com o de energia, como ocorre no pensamento, uma vez que nada no pensamento pode ser considerado como inanimado.

Por isso, não podemos ser uma unidade absoluta, ou seja, há sim um sujeito subjetivo e uma natureza objetiva. Porém na relação destes há completude, logo se volta o movimento absoluto, mas não fantasioso, onde a unidade das partes mantem a singularidade de ambas.
Nesse ínterim, me parece que a consciência também parece expandir-se “infinitamente” enquanto vivemos, logo o pensamento para mover-se, aos moldes das observações empíricas, deveria mover-se num determinado espaço, juntamente com o armazenamento das memórias que os comporte ou posso considerar ainda que o pensamento seja espaço que a si mesmo comporte enquanto se pensa, ou seja, o pensamento, além de movimento e tempo é também espaço que se expande na medida em que se pensa. Ms não pode ser um espaço maior que o pensamento mesmo, mas um pensamento de espaço absoluto.





Sobre o Finito

A infinitude daquilo que passa (tempo)

resta-nos definir o que é que delimita a parte, ou seja, o que é o finito dentro e composto elo infinito.

A parte contém o infinito de seu todo e é parte infinita do todo do espaço que se insere!












LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

cutus